segunda-feira, fevereiro 26, 2007

Por cada pacote comprado, salva-se qualquer coisa

Resolvida a difícil transição entre o antigo e novo Blogger, eis-me de volta para postar uma paranóia que já há algum tempo me acompanha:

Todos vocês já viram nos hipermercados aquelas campanhas caridosas das multinacionais:

"Por cada pacote de fraldas, damos de comer/vacinamos/damos um cobertor a uma criança africana/asiática/deficiente". ou então "por cada queijo limiano, libertamos um macaco/panda e devolvemo-lo à natureza"

a minha pergunta é: como é que os gajos controlam isto?

a meu ver, eles têm as crianças cativas nas caves das empresas (em zonas industriais) a passar fome, ou os macacos presos em gaiolas em armazéns e só os soltam se ajudarmos.

assim sendo, a campanha certa seria: " temos 100 pandas/putos em stock. por cada pacote que comprares, soltamos um, se não comprares, matamo-los. é contigo."

Por fim, imaginem o baril que seria as multinacionais passarem estas campanhas para o nível seguinte: já não chegava darem bens de subsistência às crianças e liberdade aos animais:

"por cada coca-cola, damos um blusão de cabedal a uma criança/fazemos uma permanente a um macaco".

4 comentários:

Luís Alçada disse...

Tu és um cretino. Já reparastes que só criticas? Talvez não porque nunca precisastes que fizessem alguma coisa por ti. Já vistes que essas campanhas podem ajudar muita gente. Devias ser denunciado!

Anónimo disse...

LOL que gargalhada! Viva os macacos com permanentes!

Militão disse...

vem com imenso tempo de atraso, mas não resisto:

denunciado?! a quem? à polícia "anti não gostar de cenas idiotas"?!

Anónimo disse...

Olha eu penço que voce nao deveria gozar com estas situações. Existe muita gente que preciza de ajuda e tem ajuda nessas coisas que se compram, como são os vales de produto.

É uma ajuda que tem ajudado muita gente. Principalmente na Africa e na China porque sao pessoas pobres e onde ha fome.

Acho que nao é por causa de você que as multinacionais devem parar com isso ou colher sua ideia de prender crianças ou mesmo animaus.

Juliana Mimoso