segunda-feira, março 17, 2008

Rabanada de vento Carlos

Meus caros,

Bem,isto está de facto a precisar de alguém para animar as hostes...
Na falta de voluntários para contribuir para tão afamado mas ao mesmo tempo desprezado blog, aqui me lanço para anunciar mais uma paranóia que me vem assaltando de algum tempo a esta parte.

Aqui vai:

Já concerteza viram muitas vezes, nos noticiários, certos fenómenos climatérios bastante destrutivos. Normalmente são tufões, tornados, furacões, etc, etc...
E já repararam que na sua grande maioria, aos ditos cujos são lhes atribuidos os mais variados nomes. Exemplos: Katrina, Sam, John, el niño, Britney, etc, etc...
Como esses acontecimentos normalmente acontecem fora de Portugal nomeadamente nos E.U.A, os nomes com que os batizam são nomes via de regra ingleses.

Assim temos 2 factos: - Esses acontecimentos normalmente não acontecem cá, devido a Portugal ser um país estável no que ao tempo diz respeito.
- A essas forças da natureza são-lhes atribuidos nomes em inglês.

Proponho o seguinte:

Copiando essa ideia do estrangeiro, proponho que se adopte a mesma lógica cá, isto é, proponho que se passe a designar cenas do tempo com nomes, mas com nomes portugueses.

Ainda que por cá não ocorram furacões, não deve ser por isso que não podemos chamar por um nome certa chatice que o tempo nos possa dar.

Exemplos: - Vendaval Afredo
- Ventania Gertrudes
- Aguaceiro Cristovão
- Chuva miudinha Acácio
- Corrente de ar Saúl
- E por ai fora...


Imaginem ai: SIC NOticias "a protecção civil de pampilhosa da serra aconselha a todos os residentes nessa zona, a não sairem de casa durante a noite devido passagem da rabanada de vento Carlos.

3 comentários:

IsaMar disse...

aqui nos deixas umas ideias giras. E porque não chamar Estado de alerta amarelo, Estado de alerta Salazar???

jinhos meus

Liliana disse...

Vocês é que devem andar a comer muitas rabanadas ;)

Força nesses dedos!

RESSACA disse...

Quem conhece a sua ignorância revela a mais profunda sapiência. Quem ignora a sua ignorância vive na mais profunda ilusão.