segunda-feira, novembro 20, 2006

Vinho para os Dementes

Esta paranóia tem laivos jurídicos, mas não lhe resisto:

Todos vocês já terão reparado, quando saem à noite, naquela placa branca (geralmente por cima dos pastéis de nata e dos rins com 3 e 4 dias) que proíbe o vosso taberneiro de vos vender copos se estiverem bêbados ou se forem malucos.

Esse aviso é uma transcrição do D.L. 9/2002, de 24 de Janeiro, mais propriamente, do seu artigo 2º, nº 1, que transcrevo aqui também:


"1 — É proibido vender ou, com objectivos comerciais,
colocar à disposição bebidas alcoólicas em locais públicos
e em locais abertos ao público:
a) (...)
b) A quem se apresente notoriamente embriagado
ou aparente possuir anomalia psíquica."


Ora bem, segundo me quer parecer, a lei, relativamente à alínea b), funciona do seguinte modo:

Se eu aparentar possuir anomalia psíquica (mesmo que de facto não a tenha), não posso beber. mas este é o ÚNICO caso, uma vez que se eu possuir uma anomalia psíquica não aparente, posso-me embebedar na boa! Ou seja, eu posso chegar a um bar, com um atestado passado pelo Júlio de Matos a dizer que sou doido varrido, que desde que peça com modos e me apresente vestido e coerente, tenho que ser servido!

O mesmo se pode dizer em relação à embriaguez. o bêbado crónico, mas discreto, sai favorecido com esta lei, em detrimento do chamado gajo "alegre".

Já agora, quem procede à determinação da notoriedade da minha bebedeira? é o gajo que serve ao balcão? Há uma tabela, com itens, tipo "derrubar cenas", "dizer cenas incompreensíveis", "abraçar desconhecidos", "urinar na via pública", que o taberneiro vai picando para depois fazer as contas, tipo teste de personalidade da revista Máxima?

Para mim, o que tinha valor era haver uma mesa com representantes do Governo Civil, com aquelas placas de pontuação como se usava nas provas de ginástica e natação, que avaliavam de 1 a 10 o nosso desempenho enquanto bêbados quando entrássemos nos sítios:

"Entrou desbarrigado, vomitou no canteiro, partiu dois copos e quis brigar. 8"

2 comentários:

Anónimo disse...

giro post.
jinhos meus

João Cardoso disse...

Caro blogger,

Creio a ideia interessante, contudo não poderei concordar com o que dizes.

A lei é igual para todos! Não deverá haver excepções para ninguem!!!!! Dura lex said lex! Por pessoas que pensam como o senhor é que há o apito dourado e a casa pia.
João Cardoso, Lisboa